domingo, agosto 19, 2018

Música, Caetano Veloso, Voce nao me ensinou a Te esquecer...





....
....
Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer
Você só me ensinou a te querer
E te querendo eu vou tentando me encontrar



Pessoas comuns...e extraordinárias!






sábado, agosto 18, 2018





(....)
Não são as nossas vidas actuais
que se comunicam
já sei
mas os nossos mistérios
que dialogam.

De Almada Negreiros





...






quinta-feira, agosto 16, 2018







....



Se eu ordenasse a um general que voasse de flor em flor como as borboletas,
ou que escrevesse uma tragédia,
ou que se transforme em gaivota
e se o general não executasse a ordem recebida, de quem era a culpa? Minha ou dele?
- Era Vossa - respondeu firmemente o principezinho.
- Pois era. Só se pode exigir a uma pessoa o que essa pessoa pode dar - prosseguiu o rei. - A autoridade baseia-se nisso.

De Antoine de Saint-Exupéry, em  O principezinho.




terça-feira, agosto 14, 2018





Arrebatada

Eu não quero a ternura
quero o fogo
a chama da loucura desatada

quero a febre dos sentidos
e o desejo
o tumulto da paixão arrebatada

Eu não quero só o olhar
quero o corpo
abismo de navalha que nos mata

quero o cume da avidez
e do delírio
sequiosa faminta apaixonada

Eu não quero o deleite
do amor
quero tudo o que é voraz

Eu quero a lava


De Maria Teresa Horta

segunda-feira, agosto 13, 2018

...



(...)
Por vezes é tão criminoso
não percebermos
uma palavra, uma jura, uma alegria.



De José Tolentino Mendonça



quinta-feira, agosto 09, 2018




(...)
Recolho o mel, guardo a alegria, e digo-te baixinho:
Apaga as estrelas, vem dormir comigo no esplendor da noite do mundo que nos foge.



De Al Berto




terça-feira, agosto 07, 2018

sexta-feira, agosto 03, 2018

....





If you`re happy in a dream, does that count?


De Arundhati Roy em O Deus das Pequenas Coisas
Ilustraçao de Eva Armisen




domingo, julho 29, 2018


 
 




Naquele tempo, procurava os entardeceres, os arrabaldes e o infortúnio;
agora, as manhas, o centro e a serenidade.



De Jorge Luís Borges



segunda-feira, julho 02, 2018

.....





Toda a diversidade, todo o encanto, toda a beleza da vida
é feita de sombra e de luz.


De Liev Tolstói
Foto minha



domingo, julho 01, 2018

quarta-feira, junho 27, 2018

....





Não dependem todas as coisas 
da interpretação que damos 
ao silencio que nos rodeia?


De Lawrence Durrell
Fotografia retirada do Tumblr




domingo, junho 24, 2018

sábado, junho 16, 2018

l'un part l'autre reste, Charlotte Gainsbourg

....
....
Ils n`oublieront pas leurs promesses
Ils s`écriront aux memes adresses
Les grands amours se reconnaissent
Lorsque l`un part et l`autre reste





quarta-feira, junho 06, 2018

....



O medo

Certa manha, ganhamos de presente um coelhinho das Índias.
Chegou em casa numa gaiola. Ao meio-dia, abri a porta da gaiola.
Voltei para casa ao anoitecer e o encontrei tal e qual o havia deixado: gaiola adentro, grudado nas barras, tremendo por causa do susto da liberdade.

De Eduardo Galeano





domingo, junho 03, 2018

Silencio e tanta gente...


...
...
Ás vezes sou também um sim alegre ou um triste não
E troco a minha vida por um dia de ilusão
E troco a minha vida por um dia de ilusão




domingo, maio 27, 2018

segunda-feira, maio 21, 2018

....


- Porque, Hermine? Diz-mo!
- Porque sou como tu. Porque estou só, tal como tu, e porque sou incapaz de amor e levar a sério a vida, as pessoas e eu mesma, tal como tu. Há sempre algumas pessoas que exigem o máximo da vida e que não lidam bem com a estupidez e crueza desta.
(...)



De Hermann Hesse, em O Lobo das Estepes




sexta-feira, maio 18, 2018

...




A poesia não está nas olheiras imorais de Ofélia
nem no jardim dos lilases.
A poesia está na vida,
nas artérias imensas cheias de gente em todos os sentidos,
nos ascensores constantes,
na bicha de automóveis rápidos de todos os feitios e de todas as cores,
nas máquinas da fábrica e nos operários da fábrica
e no fumo da fábrica.
A poesia está no grito do rapaz apregoando jornais,
e
no vaivém de milhões de pessoas conversando ou praguejando ou rindo.
Está no riso da loira da tabacaria,
vendendo um maço de tabaco e uma caixa de fósforos.
Está nos pulmões de aço cortando o espaço e o mar.
A poesia está na doca,
nos braços negros dos carregadores de carvão,
no beijo que se trocou no minuto entre o trabalho e o jantar
-- e só durou esse minuto.
A poesia está em tudo quanto vive, em todo o movimento,
nas rodas do comboio a caminho, a caminho, a caminho
de terras sempre mais longe,
nas mãos sem luvas que se estendem para seios sem véus,
na angústia da vida.
A poesia está na luta dos homens,
está nos olhos abertos para amanha.


De Mário Dionísio
Pintura de Paul Klee


....







quarta-feira, maio 16, 2018

....



Quem é que morreu no dia em que morreste, Inês? A vida somos sempre nós e mais alguém. Mas quando um morrer, todos morrem. Sobrevivem apenas pedaços, desencontrando.se no caminho interrompido. O vento faz o seu caminho e o apaga na passagem.

De  Luís Rosa em O Amor infinito de Pedro e Inês



sexta-feira, maio 11, 2018

quarta-feira, maio 09, 2018

....




Nunca percebi quando se deixa de ser pequeno para passar a ser crescido. Provavelmente quando substituímos  os guarda-chuvas de chocolate por bifes tártaros. Provavelmente quando começamos a gostar de tomar duche.Provavelmente quando cessamos de ter medo do escuro. Provavelmente quando nos tornámos tristes. 
Mas não tenho certeza, não sei se sou crescido.

De António Lobo Antunes



quinta-feira, abril 26, 2018

quarta-feira, abril 25, 2018

terça-feira, abril 24, 2018

...




Não tens de ser bom.
Não tens de caminhar centenas de quilómetros de joelhos, pelo deserto, arrependido.
Apenas tens de deixar que o animal suave de teu corpo ame aquilo que ama.
Fala-me do desespero, o teu, e contar-te-ei do meu.
Entretanto, o mundo segue em frente.
O sol e os seixos límpidos da chuva atravessam as paisagens,
as pradarias e árvores profundas, as montanhas e os rios.
Entretanto, os gansos selvagens, altos no limpo ar azul,
regressam de novo a casa.
Quem quer que sejas e onde estejas, pouco importa quão solitário,
o mundo oferece-se à tua imaginação,
chama-te como os gansos selvagens, com rigor e entusiasmo,
de novo e de novo, a anunciarem o teu lugar
na família das coisas.


Poema de Mary Oliver
Foto minha


sábado, abril 21, 2018

....




Há coisas que nunca
tivemos em crianças e perdem
o valor para sempre. Aquele sempre
dos primeiros dez anos, onde o tempo,
as pessoas, as coisas
parecem enormes e indestrutíveis.

Disfarçar-se de relâmpago
ou de outras coisas impossíveis, comer
todos os chocolates, ter uma bicicleta igual
à do estúpido do vizinho, fazer
as coisas que os adultos escondem
atrás da porta dos quartos, retribuir
a bofetada aos nossos 
legítimos superiores, querer
morder com justa causa 
tanta gente no mundo e 
só poder no escuro
morder uma almofada.


Poema de Inês Lourenço
Ilustração de Yejukoo

quinta-feira, abril 19, 2018

quarta-feira, abril 18, 2018

domingo, abril 15, 2018

Os Justos





Um homem que cultiva o seu jardim, como queria Voltaire.
O que agradece que na terra haja música.
O que descobre com prazer uma etimologia.
Dois empregados que num café do Sul jogam um xadrez silencioso. 
O ceramista que premedita uma cor e uma forma.
O tipógrafo que compõe bem esta página, que talvez não lhe agrade.
Uma mulher e um homem que leem os tercetos finais de certo canto.
o que acarinha um animal adormecido.
O que justifica ou quer justificar um mal que lhe fizeram.
O que agradece que na terra haja Stevenson.
O que prefere que os outros tenham razão.

Essas pessoas, que se ignoram, estão a salvar o mundo.


Poema de Jorge Luís Borges
Ilustrações de Meral Sarioglu


sábado, abril 14, 2018

Música, GNR, Cais...


....
Lá do fundo do mar imundo imenso sais
Oh! Neptuno e as tuas sereias sensuais
Vendes o cais
....
Se o mercado emperra e somos todos iguais
Atençao! Cuidado voltas ao cais



quarta-feira, abril 11, 2018

...





Nobody realizes that some people expend tremendous energy merely to be normal.


De Albert Camus
Ilustraçao de Juan Hoyos Silva


domingo, abril 08, 2018

....




De Eugénio de Andrade


sábado, abril 07, 2018

....





Falhamos a vida, menino!
- Creio que sim... Mas todo o mundo mais ou menos a falha. Isto é, falha-se sempre na realidade aquela vida que se planeou com a imaginação. Diz-se: `vou ser assim, porque a beleza está em ser-se assim`. E nunca se é assim, é-se invariavelmente assado, como dizia o pobre marques. Às vezes melhor, mas sempre diferente.


Em Os Maias de Eça de Queirós
Ilustração de Christian Schloe



sexta-feira, abril 06, 2018

quinta-feira, março 22, 2018

Música, Bliss, Wish you where here..

like waves of the shore
part of the ocean
the stars high above
part of the sky
....
....
....

....
....
....
wish you where here



terça-feira, março 20, 2018

....



A thousand dreams wjthin me sofly burn:
from time to time my heart is like some oak
whose blood runs golden where a branch is torn.


De Arthur Rimbaud
E pintura de Amedeo Modogliani



segunda-feira, março 19, 2018

....




De  Haruki Murakami
em A sul da fronteira a oeste do sol



terça-feira, março 13, 2018

sábado, março 10, 2018

Música, Miguel Gameiro com Mariza, O teu Nome...

( So, so, beautiful... )

Só para afastar esta tristeza
para iluminar me coração
falta-me bem, mais, tenho a certeza
do que este piano e esta canção.
Falta-me soltar na noite acesa
o nome que no peito me sufoca,
e queima a minha boca.

Falta-me solta-lo aos quatros ventos
para depois segui-lo por onde for,
ou então dize-lo assim baixinho
embalando com carinho,
o teu nome, meu amor.

Porque todo ele é poesia
corre-me pelo peito como um rio,
devolve aos meus olhos a alegria
deixa no meu corpo um arrepio,
Porque todo ele é melodia
porque todo ele é perfeição.
É na luz escuridão.

Falta-me dize-lo lentamente
falta soletra-lo devagar,
ou então bebe-lo como um vinho,
que dá força pro caminho,
quando a força faltar.
Falta-me solta-lo aos quatro ventos
para depois segui-lo onde for,
ou então dize-lo assim baixinho
embalando com carinho,
o teu nome, meu amor.


quarta-feira, março 07, 2018

terça-feira, março 06, 2018

Múisca, Rachel Yamagata, Over and over...



Over and over and over and over again
Let it rain, let it rain i need within the storm
So happy ending come
And brings the winds that scream
And  spill the fog all over time
.....
.....

domingo, março 04, 2018

...






....



Tal vez  amar es aprender
a caminar por este mundo.
Aprender a quedarmos quietos
como el tilo y la encina de la fábula.
Aprender a mirar.
Tu mirada es sembradora.
Yo hablo
porque tú meces las follaies.


Poema de Octavio Paz
Iagem retirada do Tumblr